Total de acessos

Teste

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Valor: Mercado imobiliário brasileiro vai piorar em 2016, segundo a Fitch

Para a agência, a crise econômica brasileira, a renda real das famílias em queda e a concessão cada vez mais restritiva de empréstimos indicam um declínio de preços em termos reais de aproximadamente 10% neste ano

As perspectivas para os mercados hipotecários e de imóveis residenciais no Brasil pioraram em 2016 na comparação com um ano antes, diante de um cenário macroeconômico mais fraco e taxas de juros em elevação, que têm reflexo sobre os preços das residências e execução de hipotecas no país, avalia a agência de classificação de risco Fitch, em relatório.

Para a agência, a crise econômica brasileira, a renda real das famílias em queda e a concessão cada vez mais restritiva de empréstimos indicam um declínio de preços em termos reais de aproximadamente 10% neste ano, enquanto novos volumes de empréstimos devam continuar deprimidos ao período, ainda que possam se estabilizar em termos reais em 2017, conforme a disponibilidade dos depósitos em poupança.

“Os bancos estão restringindo os empréstimos e competindo pelos melhores clientes ao invés de elevar taxas, mas isso pode mudar se as saídas líquidas da poupança continuarem. O desempenho de hipotecas deve se manter estável devido a essas características ainda favoráveis para os empréstimos, especialmente porque as taxas de hipoteca são, em grande parte, fixas. Entretanto, os índices de inadimplência devem aumentar um pouco por causa da redução dos novos empréstimos”, diz a avaliação.

Brasil entre os piores
No mesmo documento, a agência analisa a situação do mercado imobiliário na África do Sul e destaca que o declínio econômico lá não é tão grave se comparado ao Brasil em 2016, mas que também são fracas as perspectivas de crescimento para a economia e para os rendimentos das famílias, com declínio de preços em 2017 e expansão praticamente nula este ano. A Fitch também avalia a situação do México, pontuando que o mercado tem uma perspectiva estável diante de uma relação entre oferta e demanda capaz de conduzir os preços dos imóveis a um aumento de 4,5%.

(Valor Online - Empresas - 18/01/2016)

VEJA VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO AQUI NO BLOG OU PELO LINK

11 comentários:

  1. A decadencia nao e so 2016,2017.....sera por decadas....Fim de uma "ERA UMA VEZ NO PAIS DO FUTURO ESTAGNADO EM ALGUM LUGAR DO PASSADO"....

    ResponderExcluir
  2. Essas agencias sempre atrasadas....
    Sabemos disso desde 2010!!!!
    Entendedores entenderão!!!

    ResponderExcluir
  3. milhares de brasileiros voltando para o japao ,pois já sabem que o dólar CHEGARÁ A 5 EM DEZEMBRO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No Japão só dá pra comer arroz, aqui quem trabalha come carne, frango, peixe...é só trabalhar e não querer ganhar fácil e rápido nas costas dos outros.

      Excluir
  4. ATENÇAO:Pulem do "titanic brasileiro " ou afundem com ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Brasil não é o Titanic - os brasileiros é que gostam de fazer papel de otário. Ninguém obrigou ninguém a comprar essas porcarias com dinheiro caro emprestado da Caixa....juntando renda com mais 5 da família. Burrice é problema pessoal, não do país.

      Excluir
  5. 2016 será tão ruim quanto 2015 (arrisco até que será pior: será o ano da guinada à esquerda e da falência completa do Brasil).
    Estamos ferrados e o mercado imobiliário é (apenas) mais um sinal disso. Nosso mercado de ações está em frangalhos, nossa moeda voltou a ser fraca (instável), nossa indústria ineficiente não consegue competir e está em crise (e aumentando os preços, mesmo sem vender - o caso mais gritante é o do setor automobilístico).
    Enquanto isso, os títulos públicos pagam fortunas (desestimulando o empreendedorismo...).
    Todos os ingredientes do fracasso estão misturados nessa sopa de idiotia chamada Brasil. Quem tem dinheiro em títulos públicos também tem que ficar atento...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está corretíssimo. Este é o país do: "me engana que eu gosto".

      Excluir
  6. Pensando e Obsetvando20 de janeiro de 2016 14:32

    Ah, eu gosto demais desse blog.
    Realmente posso dizer que eu já sabia - inclusive o "Mercado" também sabe, só que ainda quer tirar mais do máximo que já lucrou. O "Mercado imobiliário" brasileiro agiu como o Eike, vendeu o que não existia pelo o que não valia.
    Essa situação não é para criticar o Brasil, o governo - isso tudo foi motivado por um grupo de poucas pessoas que ganharam muito com gente desinformada que entrou na onda dos preços Zap imoveis. ORA, AS PESSOAS NÃO QUEREM SE INFORMAR E CULPAM O GOVERNO POR TEREM FINANCIADO ESSA BAIXARIA que o MERCADO IMOBILIÁRIO BRASILEIRO se transformou, essa palhaçada de "Legado" da Copa - E AINDA DÃO IBOPE PRA ESSAS FEIRAS DE IMÓVEIS PARA GENTE POUCO PENSANTE QUE COMPRA IMÓVEL PORQUE VEM COM ARMÁRIO DE COZINHA!!! KKKKK, rir pra não chorar...
    Nada, nenhum mercado se sustenta com valorização de 500% (sério índice real de aumento de preços de imóveis) - isso quer dizer que se as Construtoras vendessem tudo pela metade hoje teriam APENAS 250% de lucro real.
    É tão absurdo que fica difícil de acreditar...até você ver uma casa comprada por 70 mil em 2009 sendo vendida por 460 mil em 2011...OU AINDA um apartamentinho na Tijuca (subúrbio carioca cercado de favelas) vendido por 990 mil reais financiado pela Caixa...(?!)E uma besta-quadrada para aceitar um acordo desse - aí, vem essa criatura e culpa o Governo?! Péra lá amigão...
    Foram milhares de enganados nessa situação.

    ResponderExcluir
  7. A questão não é somente no seguimento residencial, atinge o setor comercial também. Em número de consultas, um de nossos portais especializado em aluguel de galpões logísticos galpaoaluguelevenda.com.br teve queda 30% nas consultas se comparado os meses de dezembro de 2015 a janeiro de 2016.

    ResponderExcluir