Total de acessos

Teste

sexta-feira, 4 de março de 2016

Correio do Estado: Em queda desde 2102, preços dos imóveis caem até 25%

O setor imobiliário brasileiro registra uma desaceleração cíclica desde 2012, após um período de rápido crescimento, e este arrefecimento se intensificou no último ano com a deterioração da atividade econômica e o aumento da incerteza política no País. [...] “Quem quer comprar vive de aluguel e está enfrentando dificuldade para obter a casa própria, então está preferindo sair do imóvel atual para locar outro de valor mais baixo. [...] “É um cenário muito negativo para o profissional de vendas”

Restrição do crédito imobiliário e redução da procura da casa própria por causa da retração da economia esfriaram o mercado de imóveis, com reflexo sobre os preços. Segundo estimativa do Sindicato dos Corretores de Imóveis de Mato Grosso do Sul (Sindimóveis-MS), os valores ficaram em média 25% menores na Capital no ano passado. A projeção é ainda mais baixa que a divulgada pela agência de classificação de riscos Moody’s para o Brasil. O recuo dos preços médios de oferta de imóveis no País foi de 20% em 2015, em relação ao ano anterior. 

Ainda de acordo com a agência, o setor imobiliário brasileiro registra uma desaceleração cíclica desde 2012, após um período de rápido crescimento, e este arrefecimento se intensificou no último ano com a deterioração da atividade econômica e o aumento da incerteza política no País.

Somado a esse cenário econômico bastante desfavorável, está a dificuldade de conseguir financiamento, fator considerado decisivo para a baixa de preços dos imóveis em Campo Grande pela presidente do Sindimóveis-MS, Marta Recalde Lino. “A análise de crédito pela Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e até os bancos privados ficou mais criteriosa e há demora para liberação do financiamento”, avalia. Outro fator, segundo ela, é que muitas vezes os bancos não dispõem de dinheiro para dotação e têm que esperar para poder liberar o crédito, o que contribuiu sobremaneira para as vendas de imóveis recuarem.

A própria crise econômica, impactando diretamente sobre o poder de compra das famílias, também desacelerou o mercado. “Quem quer comprar vive de aluguel e está enfrentando dificuldade para obter a casa própria, então está preferindo sair do imóvel atual para locar outro de valor mais baixo. Isso não é só para a pessoa física, mas também para as empresas”, explicou.  Diante desse conjunto de fatores, a presidente do Sindimóveis-MS acredita que na Capital a queda nos preços de imóveis tenha sido ainda maior que o anunciado para o País pela Moody’s, em torno de 25%. “É um cenário muito negativo para o profissional de vendas”, alertou.

(Correi do Estado - Cidades - Campo Grande - 21/02/2016)

VEJA VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO AQUI NO BLOG OU PELO LINK

28 comentários:

  1. Isso é em mato grosso do sul , quero ver desconto de 25% aqui no Rio ..até agora não chegou aqui..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ouvi dizer que em Mariana MG tá barato.

      Excluir
    2. Estou vendendo um Fox 1.6 completo 2012 por $ 65.000,00.
      Tá caro?
      Tá o dobro e um pouco mais?
      Só falta desenhar, qualquer semelhança com um imóvel é mera coincidência...
      Mas tô vendendo, vem 666...

      Excluir
    3. Incrivel..no hell nunca baixam os preços...? Deve ser porque nao vende tambem ou ninguem quer...kkkkkk. E se nao vende,nem base de preço tem,entao tentem doar, quem sabe.... e tem mais,no hell tem muito sol pra todos escaldante...prefiro a sombra que e pra poucos.

      Excluir
  2. Daqui a pouco vem alguem é fala: "Aqui no Rio não mudou nada porque os ANÚNCIOS estão com o mesmo preço. Sendo verdade, ainda bem que o resto do Brasil não é igual ao Rio e não terá olimpíada.

    ResponderExcluir
  3. Aqui na região de Vitória tb não caiu. Ninguém vende e ninguém abaixa os preços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui na Roça baixou bastante.

      Excluir
    2. E ninguem compra kkkkk...

      Excluir
  4. O simples fato de um imóvel está com o preço estagnado, sendo corroído pela inflação é, a meu ver, um sinal claro de queda no preço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade. Mas o tão aguardado estouro da bolha, nos moldes do s EUA ainda não rolou.

      Excluir
  5. Na chom, quero tudo na chom!

    ResponderExcluir
  6. A queda de braços entre aqueles que querem vender, sem baixar o preço, e os que querem comprar, mas não vai pagar o valor pedido, nunca esteve tão equilibrada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá equilibrada porque o cartão, o cheque especial, o consignado,a poupança do papai tá acudindo por enquanto...
      Jajá vem o fumo definitivo dos gananciosos...
      "O peixe morre pela boca"

      Excluir
  7. Disseram que em muitos países desenvolvidos, onde as pessoas são instruídas e pensam por si mesmas, comprar imóvel como fonte de renda ou símbolo de status é tido como uma idiotice sem tamanha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cara escreve isso, mas aposto que roda num carro incompatível com a renda ou torra a maior nota num cel. da moda...

      Excluir
    2. Quem aposta se iguala no perfil ao qual se identifica...
      Estamos falando de imóveis, pois quem construiu algo, sabe do ônus, do trabalho, da paciência e também do valor real, e que, tem plena certeza desta aberração exploratória que virou este comércio insano e sem lastro em cima da ignorância de quem culturalmente "acha" que tijolo é investimento...lastimável...
      As 666 acabaram, só sobrou VC, que apenas tem como recurso ironizar uma suposta hipocrisia.
      Obs: o financiamento está operante, vai lá esperto...

      Excluir
  8. Em João Pessoa-PB NÃO baixou nada.Está o mesmo preço de 2014. Isso tudo é MENTIRA! Pode ter certeza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resgata a grana aplicada e compre 2, um pra VC e outro pros parentes visitantes.
      Acorda ansioso...deixe espumar...

      Excluir
  9. Esses corvos são fodas, morrendo de fome mas não baixa os preços.
    Sem problemas. Não quero comprar mesmo.
    Quem quer comprar no Rio?
    O Rio fede.
    O Rio é violento.
    Ruas estreitas.
    Favelas pra todo lado.
    Trânsito louco.
    Coitada das empreiteiras, os grandes compradores estão presos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Rio tb tem seu lado bom. No caso de baixar o preço dos imóveis, não depende apenas dos corretores, depende principalmente dos proprietários dos imóveis usados. Pior são as construtoras que estão para falir e não abaixam significativamente os preços dos lançamentos.

      Excluir
  10. Aqui em sao paulo, na zona leste, tem muitos anuncios e muitas placas de vendas, porem os precos nao cairam.

    ResponderExcluir
  11. Moro em SP e acompanho os preços dos imóveis há uns 3 anos.... Primeiro esperei pelo fim da copa, e nada de preço cair.... Agora veio a crise, e nada de preço cair.... Vou esperar as olimpíadas agora.... Verdade seja dita, me parece que a crise é para os pobres.... Quem tem imóveis como investimento, tem dinheiro e, talvez, não esteja sofrendo tanto assim com a crise....por isso não tem interesse em vender imóveis ... E pobre dos corvos, esses sim tão igual ao povão.... Na m&$#@!!!!

    ResponderExcluir
  12. Os preços não caíram somente nos anúncios. Na primeira conversa com o corretor, ele já abaixa entre 10 a 15%.Sabendo negociar e esperar, os descontos passam dos 25%, assim como diz a matéria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é que eles pedem mais que o dobro do valor real. Aí o desconto não ajuda.

      Excluir
  13. Quem tem dinheiro...
    "Dinheiro não leva desaforo pra casa".
    Quem tinha dinheiro...

    ResponderExcluir
  14. Na Brazuca tá lotado de consumidor cabação, o vendedor põe tudo e ele sai alegre e saltitante...
    Não aprendeu que hoje tem que se pesquisar muito antes de comprar até palito de dente, simplesmente pra não ser enganado, e nem falei da qualidade...eu disse PESQUISAR MUITO...
    ...google é para todos...

    ResponderExcluir
  15. Rapaz, aqui em recife estava com o sexto metro quadrado mais caro do Brasil, não sei como pois o povo aqui não é rico. Mas já venho notando mudanças em valores, descontos em torno de 15% para populares e uns 20% a 25% para imóveis de alto padrão. Tô querendo comprar um imóvel pra morar, estou aguardando mudanças maiores nas perspectivas. Minha irmã trabalha numa grande incorporadora local (Gabriel Bacelar) ela disse q nem lançamentos vão ter mais esse ano. Perguntei se estava caro pq o valor do custo tinha sido caro e ela disse que estava muito mais barato construir antes q agora. Acho que eles ainda estão queimando uma gordurinha.

    ResponderExcluir