Total de acessos

Teste

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Hoje em Dia: Valor do aluguel comercial despenca na capital mineira

Considerada o coração comercial da cidade, a Savassi é um espelho da nova realidade de baixa procura por locação e queda nos valores do aluguel. Por lá, onde placas de “aluga-se” viraram rotina, os aluguéis estão entre 30% e 50% mais baratos, segundo corretores e lojistas

A crise empurrou para baixo o valor dos aluguéis comerciais em Belo Horizonte. Pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) a partir dos anúncios no site Zap Imóveis na capital mineira, mostra que o preço de locação no segmento comercial caiu 6,41% no ano passado. Levando-se em conta que a inflação foi de 6,3% no período, a perda de valor do aluguel chega a aproximadamente 13%.

Considerada o coração comercial da cidade, a Savassi é um espelho da nova realidade de baixa procura por locação e queda nos valores do aluguel. Por lá, onde placas de “aluga-se” viraram rotina, os aluguéis estão entre 30% e 50% mais baratos, segundo corretores e lojistas.

“Desde 2015 o setor retraiu bastante. Muitas lojas fecharam e andares e salas ficaram vazios, trazendo uma grande quantidade de imóveis de volta ao mercado. E se a oferta subiu por um lado, do outro a procura caiu muito, o que tem reflexos nos preços”, diz o gerente de Novos Negócios de Locação da Casa Mineira, Luiz Carlos de Araújo.

Segundo ele, imóveis comerciais que em 2015 eram alugados por R$ 70 a R$ 80 o metro quadrado, hoje são ofertados por valores entre R$ 40 e R$ 50. “Num determinado momento, de 2013 a 2014, muitas lojas na Savassi tinham até fila de espera. Com o cenário atual, antigos locatários entregaram o ponto e os proprietários que não querem deixar os imóveis ociosos têm que se adequar à realidade. Há casos em que o valor foi reduzido pela metade”, afirma.

Caindo na real
O tempo de espera por um novo inquilino também aumentou. “A demora na Savassi varia de quatro a seis meses. Mas em outros bairros, há casas comerciais que levam até dois anos para alugar. A crise e o desemprego fazem com que as pessoas fiquem mais receosas, mas para quem busca uma oportunidade essa é a hora de barganhar”, diz Araújo.

Depois que uma mineradora desocupou alguns andares do prédio onde funciona uma lanchonete do McDonald`s, em um dos pontos mais nobres do bairro, o proprietário se viu obrigado a reduzir em 40% o valor do aluguel. Na Tomé de Souza, o aluguel de uma loja que era de R$ 8 mil passou para R$ 5 mil após a saída do último locatário.

Há 37 anos na Savassi, o comerciante Nilo Fantini, da Fantini Relojoaria e Presentes, diz que os proprietários estão finalmente caindo na real. “O dinheiro está curto para todo mundo. Aqui na avenida Getúlio Vargas mesmo tem loja que custava entre R$ 7 mil e R$ 8 mil e agora está por R$ 5 mil, até R$ 4,5 mil”, diz.

Vizinho de Fantini, um casarão tombado pelo patrimônio público já teve vários inquilinos nos últimos tempos, inclusive o restaurante Boi Savassi. “Mais recentemente foi um CineBar e um outro restaurante. Mas nada foi pra frente”, lamenta a vendedora de uma ótica ao lado. O motivo pode ser o preço. O aluguel custa R$ 25 mil.

Para atrair inquilinos, imobiliárias e proprietários estão fexibilizando 
Na falta de inquilinos dispostos a pagar pequenas fortunas pelo aluguel, a saída é oferecer vantagens e algumas regalias para fechar negócio e não deixar o imóvel ocioso.

Segundo a diretora da Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário (CMI/Secovi), Flávia Vieira, existe atualmente o entendimento de proprietários e investidores de que é preciso ter uma flexibilização para firmar um contrato.

“Hoje em dia, uma das estratégias utilizadas é oferecer uma carência maior, que pode chegar a até seis meses. Isso alivia o inquilino, que ganha um tempo extra para reformar a loja, adequar o espaço e se estabelecer antes de começar a pagar o aluguel”, afirma.

Até então, o prazo de carência estabelecido nos contratos normalmente não passava de 30 dias.

A garantia também tem sido flexibilizada para facilitar a vida do cliente que deseja alugar um imóvel para fins comerciais.

“Cada vez mais modalidades tradicionais, como a figura do fiador, vem perdendo espaço para outras alternativas, como seguro fiança e títulos de capitalização”, diz Flávia.

Para a diretora do CMI/Secovi, a adoção dessas medidas é uma maneira para enfrentar a crise. “Antes, na Savassi, por exemplo, tinha quatro, cinco candidatos para um imóvel. Mas o cenário mudou. E imóveis que tradicionalmente nunca ficavam vagos hoje estão. Então é essencial ter flexibilidade”, afirma.

Proprietário irredutível, imóvel vazio
Em um dos pontos mais nobres da Savassi, no quarteirão fechado da rua Antônio de Albuquerque, entre a rua Alagoas e a avenida Cristóvão Colombo, uma loja fechada há meses é o retrato da consequência da irredutibilidade do proprietário.

“O pessoal na vizinhança está dizendo que estão pedindo R$ 15 mil pelo ponto. Não é à toa que está vazia há tanto tempo”, disse uma vendedora de roupas de uma loja ao lado.

Para o corretor da RE/MAX Class Maurício Ribeiro, a recessão foi a gota d'água para uma situação que começou lá atrás, desde a mudança dos servidores dos prédios da Praça da Liberdade para a Cidade Administrativa, em 2010.

Depois disso, grandes bancos e escritórios de importantes empresas também foram saindo, até que veio o pior da crise.

No entanto, após um 2016 fraco, Ribeiro aposta que a tendência é de um ano melhor para o setor imobiliário na região, com estabilização de preços.

“A Savassi tem charme e potencial. Pequenos ajustes na limpeza e nas áreas de estacionamento já melhorariam muito o ambiente. Por isso apostamos em uma retomada já em 2017”, diz.

Deterioração
O mercado de salas e conjuntos comerciais sofreu uma forte deterioração em 2016 diante dos efeitos da crise econômica nacional. 

Os dados fazem parte de pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) a partir dos anúncios no site Zap Imóveis.

O levantamento engloba escritórios de até 200 metros quadrados em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, além de Belo Horizonte.

(Hoje em Dia - Primeiro Plano - 01/02/2017)

VEJA VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO AQUI NO BLOG OU PELO LINK

42 comentários:

  1. O Estado de Minas Faliu... não resta mais nada para se aproveitar nesse país de oitavo mundo.

    O governo devastador de 13 anos Ptistas/Ptralhas - comandado pelo maior criminoso do mundo Lula cachaceiro, deixou o Brasil num abismo sem fim.

    Só resta lutar pela prisão perpétua ou cadeira elétrica para esse criminoso de 9 dedos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Via os 13 anos de rombo praticado pelo governo dos Ptralhas... Luladrão e Dentassaura.

      Excluir
  2. Legado 13 Ptralhas. Parabéns mortadelas, conseguiram acabar de vez com o Bananal, por isso digo, o povo merece o governo do 13.

    ResponderExcluir
  3. Tenho duas soluções para esse problema:

    1º Reconhecer que estamos morando no Brasil e não em Miami e baixar os preços de alugueis e dos imóveis em 30 a 50% no mínimo...
    2º Criar um Aplicativo tipo UBER para locação de imóveis sem ou pouco custo para as partes onde a contratação já viria com um seguro para proteger as partes em caso de inadimplência...
    (quem criar esse aplicativo vai ficar bilionário)
    Daí tiramos (extinguimos) os "intermediários" corvos que não contribuem com nada na cadeia, mas que atrapalha os negócios, todos teriam acesso ilimitado, podem negociar diretamente com o dono e você pode avaliar o imóvel diretamente pelo aplicativo.

    Vamos divulgar essa idéia, quem sabe a GOOGLE compra a idéia e cria esse aplicativo?

    Arrevoar corvos maleditos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente idéia!!!!!!!!!!!!

      Excluir
  4. KK

    Todo dia Jornal Nacional lacrando. Pelo visto acabou mesmo a verba publicitária das Destrutoras/ Entulhiárias para a Globo.
    Sangue dos propriotários Rola!! E os líquidos comemoram.

    ResponderExcluir
  5. 20% a menos no aluguel! seguro fiança bancado pelos “investidores”, está começando a ficar bom…é soft.

    ResponderExcluir
  6. Meu pai colocou uma casa pra vender em floripa. O venal é 385k.mas tem rachaduras, muita madeira que já esta ficando velha… Foi “avaliada” pelos corvos em 360 mas provavelmente vão vender por 320k por causa das reformas… apareceu um candidato e ele quer dar 100k e um apartamento em capoeiras. Meu pai não quer mais um imóvel, pois ele já está com um sobrando onde iria morar.. a gente fica no dilema pois fica cada vez mais dificil de vender e o ” valor” vai abaixando.. a região tem grande potencial de valorização.. mas acho que vai demorar uns 4 a 5 anos pra bombar… não temos esse tempo pois a casa vai ficar vazia dando preju. alugar nem pensar pelos ultimos acontecimentos..
    tbm fiquei surpreso de ter sido avaliada abaixo de VV… não sei “se pode” vender abaixo…kkk a prefeitura não vai gostar muito.

    ResponderExcluir
  7. Em São Paulo perda da casa própria cresce 247% ,
    14.184 imóveis retomados só em 2016..

    Imagina esses Pombais comerciais.

    ResponderExcluir
  8. Braziussssssss, é a Grécia da América, só que mais afundada ainda, ou seríamos uma versão da Venezuela!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato...quanto maior...maior o tombo....FIM DO BANANAL...........

      Excluir
  9. agora vai

    ‘Minha casa, minha vida’ terá novas regras em 2017

    “Essas medidas são muito interessantes para o nosso mercado”… “mercado”, kkkkk Mercado das bananas kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boaaaa........kkkkkkkkkkkkkk.........

      Excluir
  10. O problema é que os 666 não conseguem enxergar ainda o preço real do seu bolhudinho e acreditam cegamente que custam o dobro do que valem, o que mascara a diferença para com o saldo devedor.

    ResponderExcluir
  11. Bricklover tem mais é que levar tijolada.

    Colega meu dizia que todo castigo para Corvo é pouco.
    Todo tijolo para bricklover é pouco.

    ResponderExcluir
  12. Olhaaaaaa a Bolha aí gente.. É Bolhudo pra todos os lados... tijolinhos de diamante no bananal.


    ResponderExcluir
  13. É verdade, mas a máxima de que “ninguem come tijolo” continua válida.
    Porém, vai de quando se dará o ploc geral.
    Na época o povo aqui brincava muito que o ploc seria quando saisse na globo ou na capa da Veja “queda de 30%”. Baum, na globo já saiu 😊
    Como a situação tende a se deteriorar, será que nao aparece aí aqueles negocios que o cara PRECISA fechar rapido, do tipo, pra ter o que comer? Teve relatos ja de negocios assim.por aqui nos ultimos meses? Ou ainda nao?

    ResponderExcluir
  14. Olha que a pesquisa é baseada no estudo da FIPE que é baseada em anúncio. E sabemos que os valores comercializados são menores do que os anunciados. Então a queda é bem maior.

    ResponderExcluir
  15. engraçado aqui em mg os preços de aluguel so aumentaram

    ResponderExcluir
  16. Aluguel ainda está muito caro

    ResponderExcluir
  17. Existem centenas de imóveis para locação em Ribeirão Preto/SP, muitos já fizeram aniversário. Proprietários sonhando com aluguéis com valores absurdos, não vão conseguir alugar

    ResponderExcluir
  18. O tempo é o Senhor da razão. A longo prazo, jamais o dinheiro vai superar o preço de um imóvel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hum... Deve ser por isso que a maioria dos corretores que conheço moram de aluguel. Se imóvel como investimento fosse bom, os corretores de imóveis teriam VÁRIOS. #sarcasm
      Pensamento retrógata sem nenhum embasamento técnico ou lógica.

      Excluir
  19. Moro no RJ. Tem um prédio comercial sendo contruído. Dos vendidos, 30% foram devolvidos. Acabou a farra! Quem vendeu, vendeu!! Quem não vendeu vai talvez vender baixando preço!!
    E ainda têm imovéis comerciais que o dono pede "luvas" fora o aluguel. "Luvas!!" Tá bom !! De boxe!!

    ResponderExcluir
  20. E ainda está caro,na época da festa das ilusões,os preços subiram absurdamente,fora da realidade!!

    ResponderExcluir
  21. Tudo voltou bombado em 2035. Quem tem culhões para encarar 20 anos de dívida bananense?

    ResponderExcluir
  22. – Bananenses e suas bananices.

    ResponderExcluir
  23. Bom dia BANANAL!
    Tempo louco aqui na Flórida.
    Encontrei ontem o Sr. Finge-Zap no Shopping.
    Kkk
    Foi hilário !
    Muitos bananenses por aqui.
    Inclusive encontrei uma família fazendo conta no ATM se sacava na função crédito ou débito. Kkkk
    Uma ótima semana a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aproveita e fica por ai mesmo...vc não faz a menor falta seu cheirador de saco de americano!!!!!

      Excluir
  24. Nem vou falar de imóvel. Há muito tempo deixei de falar isso. Quem vai comprar imóvel com juros nas alturas e risco de desemprego??? O negócio é ficar no aluguel e comprar na bacia das almas. Comprar só se for respeitando o custo de oportunidade do dinheiro e olhe lá…

    ResponderExcluir
  25. “O que esperar do setor imobiliário em 2017?” Com certeza vai bombar rs , por exemplo o BC vai dar uma “ajudinha” ao setor imobiliario na quarta feira subindo um pouco mais os juros rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que nem se a taxa cair pra 0%, imóvel seria bom negócio.

      Excluir
  26. Os Corvos Esfomeados Pirammmmm

    ResponderExcluir
  27. O que aconteceu com a supervalorização nos últimos anos? Valorizou de tal forma que começou a não ter mais cliente para comprar, porque ninguém tinha condição de atender a renda familiar que o banco exige. O que adianta? É o mesmo que matar a galinha dos ovos de ouro, porque dificulta para a população e provoca queda no mercado imobiliário?

    ResponderExcluir
  28. Assistam big shot. … e vejam o q vai acontecer com a banania

    ResponderExcluir
  29. Sofram Destrutoras e Corvos 666. A pouco tempo vocês se sentiam Deuses intocáveis, e agora tão vendendo até a mãe pra alugar um Pombal.

    ResponderExcluir
  30. Na procura de um imóvel novo para locação, encontrei um imóvel bem legal e simples que atende as minhas necessidades. Aluguel estava em R$ 845,00…Como era um imóvel bem cuidado e mobiliado, fui light e ofereci R$ 800,00. A proposta foi aceita, ate o fim do mês estarei me mudando.

    Tem que negociar e baixar o valor. E se duvidar vou pedir pra baixar o valor pra 700k e se não aceitar procuro outro e alugo.

    ResponderExcluir
  31. Dá forma como está a economia ninguém se arrisca a montar algum negócio, portanto nem de graça quero um imóvel comercial. Atualmente muitas empresas estão fechando as portas.

    ResponderExcluir
  32. Abrir uma empresa atualmente é a maior fria

    ResponderExcluir
  33. Aqueles Mineiros avarentos estão pagando pela EXPLORACAO,so que a fonte secou e a ficha ainda não caiu uai!

    ResponderExcluir
  34. Com essas medidas do papai governo, AGORA é a melhor oportunidade. COMPREM, COMPREM, COMPREM.

    ResponderExcluir