Total de acessos

Teste

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Valor: Em crise, construção corta vagas pelo 29º mês consecutivo

“A intensificação do desemprego na construção resulta da redução contínua do volume de novas obras, decorrente do prolongamento da recessão econômica”, afirmou o presidente do Sinduscon-SP, José Romeu Ferraz Neto

O setor da construção cortou 14.070 vagas em todo o Brasil em fevereiro, queda de 0,56% em relação a janeiro. Foi a 29ª queda consecutiva. Com isso, o setor tem agora estoque 2,48 milhões de trabalhadores ocupados. Ante fevereiro de 2016, houve queda de 13,95% no nível de emprego.

Em outubro de 2014, primeiro mês de variação negativa, o estoque era de 3,57 milhões de empregados. Os dados são da pesquisa realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP) em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV).

“A intensificação do desemprego na construção resulta da redução contínua do volume de novas obras, decorrente do prolongamento da recessão econômica”, afirmou o presidente do Sinduscon-SP, José Romeu Ferraz Neto.

A expectativa da entidade é que este quadro somente se reverterá depois de tomadas medidas para reativação da economia, acompanhadas de queda da inflação e juros. “Por isso é tão relevante a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência, melhorando o ambiente de negócios e proporcionando segurança jurídica ao emprego formal”, disse Ferraz.

(Valor Online - Brasil - 18/04/2017)

VEJA VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO AQUI NO BLOG OU PELO LINK

13 comentários:

  1. Reforma trabalhista na construção civil?
    Se com todas as leis vigêntes da CLT, os trabalhafores trabalham em situações precárias, imaginam com a reforma trabalhista, no tópico que o combinado entre patrões e empregados, valem mais do que a lei, aí os coitados dos trabalhadores virarão escravos.
    Em relação aos imóveis, as pessoas estão vacinadas, não adianta a economia melhorar, continuam endividados, se não melhorarem os preços, não vendem.

    ResponderExcluir
  2. Ainda ficam chamando "DEPRESSÃO ECONOMICA" de recessão...E reforma tributária com imposto único e baixo, NADA.Brazuela à vista.Quem puder se manda daqui.Estamos com 27 milhões de ociosos, aqui no Bananistão.Se o carro chefe-mãe, que é a construção civil está assim,imaginem o resto e o depois...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas segundo um Engenheiro elétrico no Nordeste estão comprando apartamento de 40 metros quadrados por R$280.000,00!!!!
      A crise é só no Sudeste e Sul do país... no nordeste o dinheiro está jorrando...

      Excluir
  3. ...mais 14.070 petistas na fila do desemprego...
    Paguem meus juros!

    ResponderExcluir
  4. Engrenagens da econômia

    Quando uma pessoa é contratada por uma empresa ela entra no mercado de trabalho, adquire renda e passa a consumir mais produtos fabricados por empresas, quanto mais pessoas se empregam mais cresce a produção da empresa que precisa contratar mais pessoas para suprir a produção, essas pessoas contratadas terão renda e irão consumir..., agora imagine 13,6 milhões de desempregados podendo entrar no mercado de trabalho, isso geraria um crescimento econômico por um bom tempo, mas para isso elas devem estar com poucas dívidas, para isso o governo libera um dinheiro que é delas mas estava preso (FGTS Inativo), como é do perfil do brasileiro ele usa boa parte para pagar suas dívidas e o restante consumir algo, e só uma pequena parcela investe o que sobrou. “Curados os ferimentos, levantar para a luta”.

    Como dar o peteleco inicial para as empresas começarem a contratar pessoas?

    Quando o pais ajusta seu orçamento e gasta menos do que arrecada, sobrará dinheiro para o estado pagar seus credores e contratar serviços para a manutenção e crescimento do pais, reduzindo a inflação o lucro será maior, diminuindo a Selic melhoram as linhas de credito, estabilizando o cambio é possível fazer contratos de importação e exportação, aumentando a confiança das empresas em investir no pais.

    Não estou dizendo que a reforma econômica deve ser feita de qualquer jeito, mas deve ser feita de comum acordo com a sociedade.

    Isso é uma solução que alavanca a econômia em curto prazo, para uma melhora a longo prazo, o governo tem que diminuir a burocracia para as empresas, melhorar as estradas e os portos, investir em educação, ser rígido com a corrupção.

    Mas quem vamos por no poder, aquele que joga lixo no chão quando ninguém está vendo ou aquele que não devolve o troco que recebeu errado ou aquele que estaciona em vaga de deficiente ou aquele que torce para o próximo cair para pegar o que é dele? Se a pessoa não devolve R$1,00 do troco no mercado, imagina 2 milhões.

    Deixemos de ser medíocres em ganhar migalhas ou ficar contentes por ter comprado uma casa no leilão de uma família que perdeu tudo.

    Que sejamos ambiciosos, éticos e caridosos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso desgoverno é o exemplo de maldade...45% de imposto incluso no pão frances...imagine o resto....56% veículos, 45% remédios,93% cerveja,97% vinhos,leita 45%,...em paises vizinhos não passam de 12%....saída é cumbica ...Brasil e o maior imposto do mundo.

      Excluir
    2. Kkkkkkkkkkk
      Kkkkkkkkkkk
      Kkkkkkkkkkk
      Acooorrrdddaaaa fiiiii
      Vc está no brasil não nos E.U.A
      Kkkkkkkkk

      Excluir
    3. Olá, boa noite
      Já questionei o seu texto em outro tópico, mas pelo visto você não quer discutir ideias ou soluções, nunca respondeu, só posta a sua "visão" e pronto. Foi a primeira vez em mais de duas décadas que me proponho a discutir algo do tipo.
      Conheço esse discurso há bastante tempo, talvez por ter formação parecida com a que você disse que possui.
      Não misture tantos assuntos da forma que você faz, senão vai continuar navegando sem rumo por muito tempo, talvez até o fim.
      Enfim, como é um monólogo, gostaria que as pessoas desconsiderassem o seu texto, muito fraco e com visões ultrapassadas do que seria possível fazer, inclusive já testado com o resultado que está aí. Mistura justiça, poder e querer, visões simplistas de um modelo econômico que já se esgotou com dogmas religiosos.
      Que maluquice, mas representa bem a miopia da grande maioria, sem saber diferenciar causa de efeito.

      Excluir
  5. Com brasileiro aposentando aos 65 anos vai faltar mais ainda empregos. Enquanto a vaga era liberada aos 55 anos agora passa a ser aos 65 anos.

    Dessa forma onde 1 se aposentava e o outro ocupava a vaga terá seu ciclo quebrado. Menos pessoas no mercado.

    Imóvel à venda vai continuar encalhado. kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo..Automoveis tambem...kkkkk

      Excluir
  6. Na real esse Ferraz não sabe oque diz...As demissões na construção civil estão apenas começando...Esse é apenas o mês 29... Trabalhador com renda miserável não compra imóvel,sem falar que sobra imóveis em todas as grandes cidades... Construir para quê? Para quem? Daqui a 20 anos nem o Sinduscon existirá... Não entendo o porquê de não entenderem o óbvio...Ou entendem e não querem admitir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a cegueira da ganância que imperava,agora veio o "tropeço ou trupicão, com UM TOMBO mais feio ainda"...kkkkkkkkk e os caras não aceitam que perderam milhoes e querem a qualquer custo empurrar esse "MICÃO" aos desavisados.

      Excluir
  7. Corvo, cadê seus comentários?

    ResponderExcluir