Total de acessos

Teste

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Estadão: Para setor de construção, redução de crédito imobiliário da Caixa terá impacto generalizado

“O setor imobiliário vive um dos piores momentos. Já está muito difícil para nós e mais esse aperto no crédito não vem em bom momento”. [...] Para o presidente do Secovi-SP, Flavio Augusto Ayres Amary, o impacto da medida anunciada pela Caixa deve ser generalizado, afetando tanto as vendas de imóveis usados quanto de novos

A decisão da Caixa Econômica Federal de reduzir o teto de financiamento para imóveis usados desperta preocupações entre participantes da indústria de construção e, segundo representantes do setor, lança dúvidas sobre o ritmo de recuperação de uma área que ainda sente os efeitos da mais severa recessão econômica em décadas.

A Caixa anunciou na semana passada que voltaria a reduzir o limite de financiamento para imóveis usados a 50% do valor do bem a partir de 25 de setembro, na mais recente de uma série de medidas que restringem a concessão de crédito imobiliário pelo banco.

Entidades que representam empresas de construção ainda conduzem estudos para mensurar o impacto da medida, mas a avaliação inicial é de que a decisão da Caixa pode retardar ainda mais a retomada dos negócios.

“O setor imobiliário vive um dos piores momentos. Já está muito difícil para nós e mais esse aperto no crédito não vem em bom momento”, afirmou à Reuters nesta segunda-feira, 25, o vice-presidente de habitação popular do Sindicato da Indústria de Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), Ronaldo Cury.

Segundo ele, as construtoras têm se empenhado para concluir obras em andamento e ainda são poucas as que se arriscam em lançar novos empreendimentos. “Na cidade de São Paulo, onde se pratica médio e alto padrão, o mercado tem ilhas de alegria em um mar de tristeza”, comentou Cury, citando as faixas 2 e 3 do Minha Casa Minha Vida e produtos nicho.

Impacto generalizado
Para o presidente do Secovi-SP, Flavio Augusto Ayres Amary, o impacto da medida anunciada pela Caixa deve ser generalizado, afetando tanto as vendas de imóveis usados quanto de novos. “Mas esperamos que essa seja uma solução temporária e que a Caixa busque outras alternativas”, afirmou o presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo.

Mesmo assim, Amary disse que a tendência, embora lenta, é de recuperação no setor de setor de construção, à medida que a economia dá sinais de recuperação mesmo com toda a turbulência no cenário político.

Já o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), José Carlos Martins, disse que ainda não analisou detalhadamente a decisão da Caixa, mas ressaltou que qualquer limitação na oferta de crédito é desfavorável para “um setor já fragilizado”.

Na bolsa paulista, as ações da Cyrela e da MRV fecharam em queda de cerca de 4%, em meio a preocupações com o impacto da decisão da Caixa para a recuperação do setor.

(Estadão - Economia & Negócios - Notícias - Geral - 25/09/2017)

VEJA VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO AQUI NO BLOG OU PELO LINK

25 comentários:

  1. Eu pensava que se baixasse o metro quadrado em geral no Brasil a R$1.000 resolveria o problema da crise imobiliária. Mas , vender pra quem?
    Eu não tenho 40.000 para dar de entrada, agora é 50% de entrada.
    Ou seja faliu de vez.

    Se algum corvo, digo, Corretor de imóveis estiver lendo esse artigo, mude de profissão urgente.

    Na CEASA aqui perto de casa, estão contratando, pagam 100,00 para descarregar carreta de 32 rodas lotada de saco de arroz.

    Quem sabe assim, vcs valorizam o dinheiro suado do trabalhador antes de avaliar apartamentos de 40 metros quadrados por R$380.000.

    O pedreiro aqui de perto também paga 50.00 por dia para virar concreto viuuuuuu!

    Sejam honestos, sejam éticos, falem a verdade.

    Isso é castigo de Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enquanto a restrição de crédito ficar só na Caixa, acredito que não haverá reflexo grande nos preços...

      Agora, se esta moda se espalha para outros bancos...

      Excluir
  2. Falência na certa..com "o povo que se exploda" dentro messsssmo.

    ResponderExcluir
  3. Esse bobão alegre Amary ai, ainda não acordou de que esse "nicho de mercado, nunca mais será o mesmo"... e por décadas à fio.

    ResponderExcluir
  4. Imóvel já foi bom investimento, hoje não mais (e acredito que nem tão cedo voltará a ser)

    Mas para moradia, com a queda dos juros, a situação não muda um pouco não?

    Digo isso pq daqui a pouco a selic vai estar pagando algo próximo a 0,5% ao mês líquido. Aqui na cidade onde moro, o aluguel está em torno de 0,4% do valor do imóvel...

    Teoricamemte, o imóvel só precisaria ter uma valorização nominal de aproximadamente 0,1% ao mês para "empatar" com a selic.



    *onde moro, imóveis bem localizados com boa estrutura de lazer estão com metro quadestá entre 4.000-4.500

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A poupança rende hoje uns 51% e é o pior investimento. Não é difícil conseguir investimentos com 0,8% liquido hoje. Aluguel dificilmente chega nesse patamar, fora IR, gastos com manutenção etc.

      Excluir
  5. Qual seria o IVV ideal para ter um equilíbrio sustentável entre demanda X oferta?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 400,00 O M2...simples,pois imovel se tornou "Imbestimento".

      Excluir
  6. Questionei agora um gerente da Caixa sobre esta restrição e fui informado que a Caixa já fez este tipo de ajuste outras vezes para se adequar ao cronograma de desembolso. Ele disse que a tendência é que o limite de financiamento volte a aumentar no primeiro trimestre de 2018. Será?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só posso dizer: boas compras.

      Paguem 500.000 em apartamento de 70 metros quadrados que eram vendidos em 2007 por 100.000.

      Simples assim, se vcs não dão valor no seu suor, nas frias madrugadas debaixo de chuva que vc levantou para trabalhar...

      Vai fundo, os abutres agradecem...

      Outra coisa meu amigo, esquece selic, valorização, investimentose. .. pq imóveis estão muuuuuuito fora da realidade.
      Estou ficando cansado de explicar e se continuar assim esse povo bobalhão, vou ser um abutre e ganhar dinheiro fácil dos incautos.
      Pelos comentários acima agente vê que o cara quer por que quer dar dinheiro para as construtoras e para os abutres.
      *abutres são os corvos.

      Excluir
    2. 2058 talvez...kkk

      Excluir
  7. Galera,não sei o que é mais fantasioso:

    O papo dos corvos de que "imovel nunca desvaloriza" e "corram para comprar pois os preços vão aumentar"...

    Ou o papo de vcs de que "vai desvalorizar 80%" etc

    O fato é que imóvel não voltará a ser um bom investimento pelos próximos anos... Para moradia, tem que refletir muito, mas há algumas boas oportunidades para quem sabe garimpar.

    Ainda há espaço para alguma redução, mas achar que haverá uma redução generalizada e que os valores voltarão aos patamares de 2007 beira o ridículo. Acho que a galera está mais para torcedor do que para "observador do mercado"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é o x da questão meu amigo, brasileiro não sabe somar... simples assim... 1+1 é muito para vcs, tem que pagar juros mesmo.

      A questão não é valorizar ou desvalorizar, a questão é que 40 metros quadrados não vale R$100.000 em lugar nenhum do planeta... mesmo pq em Mônaco ou em Beverly Hills não tem esses pombais.

      Você até agora não entendeu o espirito da coisa...

      Basta você pegar o valor do terreno... os materiais que gastam... o valor do metro quadrado para construção vc vai achar meu amigo...

      Mas para vc que tem 50% de 500.000 para dar de entrada em um imóvel que não vale R$150.000... fazer o quê... vai fundo... ou quando vejo esses comentários é porque já está endividado pelos próximos 35 anos pagando 10 imóveis...

      Foda... brasileiro faltou às aulas de juros compostos... assim não dá para ficar discutindo...

      Excluir
    2. Você está correto. Brasileiro é orgulhoso demais para derrubar o preço do próprio imóvel. Os preços não serão alterados para baixo em 30%, de jeito nenhum. É fato. O que vai ocorrer é a desvalorização gradual, através da inflação e diminuições pequenas. O cara anuncia por 500 k, passam 6 meses ele diminui pra 490, mais 6 meses e ele passa pra 480. Aí, já são 4% de diminuição mais a inflação pequena do período. Não vende! Aí, no segundo ano o cara esquece que era 500 e diminui de 480 pra 460, e por aí vai! Será 30 %? Não! Analisando grosseiramente, ele teria que diminuir pra 350 de cara. Isso não vai! Mas que aproximará ao longo do tempo, somando com a inflação , nuns 30% isso vai. De 2015 pra cá, vem ocorrendo isso. As pessoas não percebem, até porque também não tiveram aumento de salário que acompanhou a inflação. Mas para investidor que tem muito dinheiro investido, isso fica mais perceptível. A inflação de 2016 foi de mais de 10%. De 2015 pra cá, quem acompanha o mercado sabe que ocorreu diminuição dos preços! Mesmo que pequena, somada com a inflação de três anos, já beira os 20 ou 30%. E vai cair mais, pois ficou tão descolado da realidade que não vende nada mesmo com 50% de desconto. A medida da caixa veio pra arrebentar mais ainda. Esse mesmo imóvel de 500, o comprador terá que ter 250 pra entrada. Quantas pessoas vocês conhecem que possuem esse dinheiro? E a faixa mais baixa, imoveis de 200 k ( péssimo nível pra maioria das capitais) , o cara que se aventura à comprar é aquele baixa renda, pé duro! Vc acha que esse cara terá 100 k?

      Excluir
    3. Eu comprei um imóvel em 2006 por 75 k. ( ele me rendia 1400 reais de aluguel). Quando o inquilino se mudou eu resolvi vender. Vendi por 290 k, 2 anos atras. Achar que ele voltará pra 80 k é burrice. Óbvio que não. Mas, se alguém nesse prédio quiser vender o ap, terá que baixar em relação ao que eu vendi. Nem que seja 250. E com a inflação do período, a perda não é significativa? Acho que sim.

      Excluir
    4. Acho que a perda é significativa sim, em relação ao valor que vc vendeu (290k).

      Mas se for considerar que a pessoa comprou por 75k em 2006 e vendeu agora por 250k, acho que foi um excelente negócio (mesmo pq neste período, ele recebeu aluguel ou economizou com moradia).

      Excluir
    5. Ok. Mas isso se a pessoa comprou em 2007, igual eu. Para negócio atual, é horrível. Quem vai comprar agora? Só bobo!

      Excluir
    6. Kkkkk....parabéns pela conciência...

      Excluir
  8. Na cidade onde moro, o mercado está parado desde 2014, mesmo assim os preços continuam estáveis (pelo menos nos anúncios)

    ResponderExcluir
  9. Vcs já viram a nova indicação da Empíricos?


    https://sl.empiricus.com.br/im04-boom/

    ResponderExcluir
  10. Comprei minha casa, depois de muito negociar, de 1 milhão saiu por 800.000 a vista, porém os bancos não aceitaram meu financiamento nem de 300 mil(3 bancos negaram), perdi o negócio e ganhei a frustração... Neste caso, não muda nada, os bancos já não estavam financiando muito...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nao entendi. Afinal, você comprou por 800.000 a vista ou financiado?

      Excluir
  11. Eu acho que o metro quadrado a 80,00 já está bom demais.

    ResponderExcluir
  12. Acho que caiu o que já tinha que cair. Daqui pra frente, imóvel não vai mais se valorizar, mas também o preço não vai mais baixar, vai sendo corroído aos poucos pela inflação enquanto ainda sofremos os impactos da crise econômica.

    Imóvel como investimento no momento atual = furada
    Achar que os preços ainda vão cair muito = delírio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boas compras
      Ao invés de ficar falando vai lá e compra.
      Corvo detectado.

      Excluir