Total de acessos

Teste

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Valor: Queda de até 70% nas vendas escancara estouro da bolha

"Alguns indicadores citam queda de até 70% [nas vendas]", afirma Rogério Santos, diretor da RealtON, outlet on-line de imóveis

Se não poderiam ser classificadas como uma "tempestade perfeita", as condições do mercado imobiliário em 2014 podem ter chegado perto. Até demais. Uma confluência rara de fatores tem levado a uma desaceleração do setor como um todo, com efeito ainda mais forte no segmento comercial. Superoferta de escritórios e espaços corporativos em grande parte das regiões, vacância alta, estagnação econômica, inflação em patamar alto, endividamento das famílias, menor crescimento da renda, cenário macroeconômico internacional desfavorável e eventos, como Copa do Mundo e eleições, tiraram o fôlego da demanda por propriedades neste ano.

"A gente está vendo uma conjuntura rara de um ciclo de baixa do mercado imobiliário [de lançamentos] que coincide com um ciclo de baixa da economia", avalia Viktor Andrade, sócio líder em transações imobiliárias na América do Sul da EY (antiga Ernst & Young). Segundo o consultor, os três cenários mostram uma queda dos preços no segmento comercial entre o fim de 2014 e ao longo de 2015. 

Queda de 70% nas vendas
De fato, palavras como promoção e desconto frequentam cada vez mais os espaços publicitários de vendas de incorporadoras e imobiliárias. "Se levar em consideração os meses de maio a julho, o mercado quase parou. Alguns indicadores citam queda de até 70% [nas vendas]", afirma Rogério Santos, diretor da RealtON, outlet on-line de imóveis.

No segmento residencial, de acordo com dados do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), de janeiro a agosto foram vendidos 11,6 mil imóveis novos na capital paulista, ou seja, uma queda de 48,8% sobre os 22,6 mil comercializados um ano antes. Mas no intervalo, houve meses, como junho, no qual o recuo alcançou 72% em relação ao mesmo período de 2013.

O índice Fipe/Zap de preços por m2 de imóveis residenciais anunciados já registra o impacto da conjuntura negativa sobre os valores de comercialização. 

"Bastante razoável"
O presidente do Secovi-SP, Claudio Bernardes, vê o ano como desafiador para o mercado imobiliário em geral. "O primeiro semestre não foi bom para o segmento comercial. Vai haver uma recuperação no segundo semestre, mas não o suficiente para recuperar as perdas na metade inicial do ano", afirma. O especialista considera, no entanto, o comportamento "bastante razoável levando em conta que a economia brasileira vai ter um desempenho muito fraco neste ano".

Queda dos preços
De acordo com o presidente do Zap Imóveis, Eduardo Schaeffer, a vacância em imóveis comerciais tem aumentado e, com isso, há uma pressão por uma estabilidade ou até mesmo queda de preços. "A gente vem observando um aumento de vacância de maneira mais expressiva nos últimos oito meses. Em um primeiro momento, essa situação começa a mostrar pressão nos valores de aluguéis comerciais em regiões mais valorizadas. Depois, o aluguel mais baixo acaba por se refletir em um preço por m2 menor", explica.

Dados da consultoria imobiliária Cushman & Wakefield (C&W) indicam tendência de crescimento na vacância no segmento de imóveis comerciais classe A no curto prazo. A taxa de unidades vazias subiu de 13,9% no primeiro trimestre para 14,5% no segundo. No entanto, para o vice-presidente da C&W, Marcelo da Costa Santos, trata-se de um ciclo natural do mercado. "Os preços têm de cair, a vacância aumenta e, depois [dessa queda], retomam-se os investimentos", diz.

Segundo Andrade, da EY, houve uma aposta no início do ciclo de um cenário que não se concretizou. "A gente tem pesquisas que mostram que 60% dos motivos pelos quais existe o atual excesso de oferta se relacionam à pressão por resultados sofrida pelos executivos das incorporadoras e ao excesso de otimismo no mercado brasileiro [na época]", diz.

A oferta de unidades acima da capacidade de absorção atual e o cenário macroeconômico adverso levaram as incorporadoras a pisar no freio em termos de novos projetos neste ano. De acordo com dados do Secovi-SP, de janeiro a agosto deste ano os lançamentos residenciais na cidade de São Paulo somaram 14,4 mil unidades, o que representa uma retração de 23% comparada às 18,7 mil lançadas no mesmo período de 2013.

(Valor Online - Finanças - São Paulo/SP - 08/10/2014)

VEJA VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO AQUI NO BLOG OU PELO LINK

6 comentários:

  1. Preço cair que é bom nada.
    Só tem "promoção" de construtora fudida em bairro periferia.
    Aliás, tem crise em todos os setores da economia, não é só imobiliário não.
    Linha branca, carros, alimentação etc. Era bolha também?
    Os preços da grande bolha dos EUA já se recuperaram. Daqui a pouco aqui começa a subir de novo e o povo continuará esperando o grande estouro de bolha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aviso ao corretor imobiliário: O governo dos EUA estão sentados em cima de trilhões de dólares em dívidas podres do mercado imobiliário Americano. Achar que a crise de 2008 não foi estouro de bolha (afetou todo o planeta) é no mínimo míope.

      Sobre o mercado brasiliero, lhe pergunto: A linha branca os alimentos, os carros, etc.. multiplicaram seus preços por CINCO desde 2008 até 2013? Não! O único mercado em que isso aconteceu foi no imobiliário. A renda do brasileiro foi multiplicada por CINCO neste péríodo? Nâo, o que se multiplicou foram os financiamentos imobiliários. Portanto o que sustentou de fato o boom imobiliário dos brasileiros foi o crédito e não a renda.

      Por fim, suponho que o corretor acima não esteja lendo notícias nos jornais que há mais de um ano reportam QUEDA DE PREÇO NOS IMÒVEIS BRASILEIROS:

      http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2014/06/11-de-15-cidades-tem-queda-real-no-preco-do-m-em-maio-diz-fipe.html

      http://economia.terra.com.br/preco-de-imovel-cai-em-3-capitais-alta-em-sp-e-menor-desde-2008,4b8383cab5494410VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html

      http://construcaomercado.pini.com.br/negocios-incorporacao-construcao/negocios/oito-cidades-registram-queda-de-preco-dos-imoveis-em-2014-323870-1.aspx

      http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/15-cidades-veem-queda-real-nos-precos-dos-imoveis-a-venda

      http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/valor-de-imoveis-para-venda-em-florianopolis-tem-maior-alta-entre-11-cidades

      http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/imoveis-tem-queda-real-em-sao-paulo-e-no-rio-de-janeiro

      Excluir
  2. Ah, mas tá caindo sim! Mas não cai no site é na proposta de compra. Quem não baixa os preços não vende.
    Os preços ficam altos nos sites de imobiliárias pq é o chamado "pega trouxa, se colar, colou". Tirando exceções, sempre entre agressivo na negociação que vai acontecer redução.

    ResponderExcluir
  3. Eu já tentei esta linha de agressividade em três negócios, e em nenhum deles foi concretizado. Os proprietários ainda estão reticentes em reduzir o preço, preferem ficar com o imóvel parado. Todos os três ainda estão à venda, um deles já faz quase 1 ano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o que eu disse. Quem não baixa, não vende. Que fique encalhado, uma hora vai baixar o preço e vender ou um trouxa paga o preço pedido (menor possibilidade, cada vez mais rara)

      Excluir
  4. Quem realmente precisa vender está baixando. Acabei de vender um imóvel. Pedi menos que a região e não estou perdendo dinheiro. Muito pelo contrário. Agora, tanta construtora fazendo saldão, por mais furado que seja, significa alguma coisa. A economia tá desandando em todos os setores, não tem porque o imobiliário não pagar também. Só não vê quem é "otimista"...rs

    ResponderExcluir