Total de acessos

Teste

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Estadão: Com dívida bilionária, gigante PDG deve pedir recuperação judical

A PDG vem se esforçando para vender seus estoques e fez cortes profundos na operação – só nos 12 meses encerrados em 2015, o total de funcionários da empresa foi reduzido em 60%, para um total de 1.175. Mas os resultados não mostraram reação: o prejuízo acumulado no primeiro semestre de 2016 atingiu R$ 1,15 bilhão, alta de 192% em relação ao mesmo período de 2015

Após a Viver, que na semana passada se tornou a primeira incorporadora de capital aberto do País a pedir recuperação judicial para solucionar seus problemas financeiros, uma das maiores empresas do setor no Brasil deve seguir o mesmo caminho. Segundo o ‘Estado’ apurou, a PDG deverá recorrer à medida até o fim do ano. Com bilhões de reais em prejuízos acumulados e dificuldade para vender R$ 2,7 bilhões de imóveis em estoque num mercado retraído, a companhia já estaria em negociação com uma empresa de reestruturação financeira.

A PDG emergiu como potência imobiliária na segunda metade da década passada, após algumas aquisições. A companhia abriu o capital em 2007. Três anos depois, deu seu maior passo – a compra da Agra, então comandada pelo investidor espanhol Enrique Bañuelos –, assumindo a liderança do setor. Em 2012, no entanto, o negócio já enfrentava uma crise e começava a frear investimentos. Depois disso, atraiu investimento da Vinci Partners, que fez uma capitalização no negócio de R$ 483 milhões, em 2015.

Crise profunda
As mudanças de estratégia e os novos investimentos, no entanto, não teriam surtido o efeito necessário. A PDG vem se esforçando para vender seus estoques e fez cortes profundos na operação – só nos 12 meses encerrados em 2015, o total de funcionários da empresa foi reduzido em 60%, para um total de 1.175. Mas os resultados não mostraram reação: o prejuízo acumulado no primeiro semestre de 2016 atingiu R$ 1,15 bilhão, alta de 192% em relação ao mesmo período de 2015.

Dois terços dos estoques da PDG se concentram no segmento residencial, sobretudo em São Paulo e no Rio de Janeiro. O desempenho deste mercado tem sido fraco. Em São Paulo, segundo o Secovi, foram vendidas 828 unidades residenciais novas em julho, queda de 20,5% em relação a 2015.

Dívida bilionária
Embora tenha anunciado a reestruturação de três quartos de sua dívida total – que, em 30 de junho, superava a marca de R$ 5 bilhões –, a PDG já teria avisado aos bancos que a recuperação judicial seria inevitável. Por lei, as instituições financeiras são obrigadas a fazer provisão integral relativa aos créditos concedidos a empresas em recuperação judicial em seus balanços.

A medida deve ser anunciada até o fim do ano, segundo fontes. A empresa, que é assessorada pelo escritório E. Munhoz Advogados, já estaria em conversas avançadas com um assessor para ajudar na gestão e na reestruturação dos débitos no âmbito da recuperação judicial.

Segundo fontes, a decisão de postergar a recuperação judicial o tanto quanto possível teria sido a estratégia da PDG. A Viver, que protocolou o pedido na Justiça na semana passada para renegociar débitos de R$ 1 bilhão, passou pelo mesmo dilema.

Na semana passada, em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, Luis De Lucio, diretor da Alvarez & Marsal, consultoria americana especializada em assessorar empresas em crise, afirmou que a Viver tentou equacionar sua dívida ao longo do ano de 2016, mas não obteve sucesso.

(Estadão - Notícias - Negócios - 28/09/2016)

VEJA VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO AQUI NO BLOG OU PELO LINK

16 comentários:

  1. Construtoras pedem falência , pra não baixar os preços ...

    ResponderExcluir
  2. DCI 29/09/2016 - 05h00
    Recuperação judicial e falência em construtoras avançam 25%,tai..a ganancia virou falencias.Vai corvo..vai corvo..pegar na enxada na roça...vai corvo....

    ResponderExcluir
  3. Sem reforma tributaria com imposto unico e baixo, esse pais ja era....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso sistema tributário é uma piada, se tributa serviços e produção (impostos indiretos) pra "sustentar" um "leve" imposto de renda. Aí depois, ficam se perguntando por quê não tem mercado consumidor o suficiente. O q está por trás disso é a classe média pagando imposto de renda na mesma faixa dos milionários e, como quase todo restante (renda líquida) vai no consumo, paga um real absurdo de imposto. A solução é clara e óbvia, só criando mais faixas no imposto de renda, tributando menos os pobres e classe média, aumentando um pouco o IR pros ricos (se fosse até uns 35% já resolvia bem), ao mesmo passo diminuir esses impostos indiretos, esse é o real "custo Brasil". A chave pra sair da crise não é gastar pouco ou muito, é gastar PRODUTIVAMENTE o dinheiro público. A chave não é arrecadar muito ou pouco, é arrecadar DO LUGAR CERTO. Precisamos urgentemente desenvolver as pequenas e médias empresas nas nossas potencialidades, junto de pesado investimento em cursos técnicos.

      Excluir
  4. PDG = PILANTRAS DEMAIS GANANCIOSOS. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  5. Pois é amigo no Brasil é assim, e lucrativo para o dono quebrar a empresa, pois ele parcela a dívida em anos com juros baixos e até desconto na dívida original, preserva seus bens e ainda pode empreender outro negócio!

    ResponderExcluir
  6. Não temam, Temer tem à solução!😂😂😂😂

    ResponderExcluir
  7. A construtora deu valor de apto em X Reais. Aí o CORRETOR vendeu o apto por 2*X Reais. A construtora gostou, a imobiliária gostou, o CORRETOR gostou, tudo muito bom. Mas apareceu outro apto a X Reais. Aí o CORRETOR vendeu o apto por 3*X Reais. A construtora gostou, a imobiliária gostou, o CORRETOR gostou, tudo muito bom novamente.
    E agora? E agora construtoras? O seu incentivo, para não falar ganância, deu m.... Os inúmeros CORRETORES sumiram, as imobiliárias vazias e as construtoras...
    Voltem ao valor de X Reais. Quem sabe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse setor imobiliario sera os ultimo na cadeia a se recuperar,penultimo sera o emprego...laskou total..
      Que venha 2017 ao preço de 800 o m2...porque os 1500 que falei antes, nao vinga mais....esse ano ja era.

      Excluir
  8. É... Só tem gênio aqui! A construtora roubou tanto que fracassou (faliu)... (dãããã!)
    A cadeia produtiva do setor imobiliário explora o povo cobrando preços absurdos e prefere falir a baixar os preços... (dãããã!)
    Só asno!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeita a sua análise... kkkkkk

      Excluir
  9. Todo corvo é filho do Diabo mesmo, mentiros e quando não falam mentiras, usam meias verdades.
    Estou falando é com você 19:36.
    Asno é sua mãe corvo vagabundo que engana o povo com suas malícias.
    Quem engana o povo não são as Construtoras, mas a ingerência dos PETRALHAS que instituiu a corrupção e agora estão todos enrolados.
    Và virar concreto para comprar um canequinho de fubá seu pária.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Serviu a carapuça.... kkkkkkkkkk... asno.. kkkkkkkkkk

      Excluir
  10. Um comentário pior q o outro.
    Não sou corvo, nem dono de construtora, mas me parece óbvio q quem esperar o preço baixar tanto vai passar a vida no aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CORVO DETECT!
      Vc não é Corvo, mas pensa como tal.
      Qual o problema ficar no aluguel?
      Antes de vender meu apartamento para aplicar e ganhar juros compostos, o meu vizinho era um usuário de drogas. Todos os dias a polícia batia lá, era confusão dia e noite.
      Não tinha pra onde ir.
      Hoje sou livre, além de ganhar meus juros que você está pagando eu moro onde quero.
      Pra terminar :
      Vá voar em outro milharal kkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Concordo com vc. Moro na zn de sp, por aqui nunca mais volta pro preço certo. Tem gente que tá esperando pra comprar uma chácara na avenida paulista e plantar café.

      Excluir