Total de acessos

Teste

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Estadão: FGV fala em fim do ciclo imobiliário, deterioração e fundo do poço

O cenário atual retrata o “fim do ciclo imobiliário”, segundo a FGV. [...] Assim como a CNI, os especialistas da FGV constataram a deterioração dos resultados. [...] A situação atual dos negócios é muito ruim. Na cidade de São Paulo, por exemplo, as vendas de imóveis novos caíram 59,7% entre junho e julho

Todos os dados relativos à evolução da construção civil, exibidos nas pesquisas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do sindicato da habitação (Secovi) divulgadas nos últimos dias, mostram o agravamento dos problemas, com a diminuição da atividade do setor, do uso de capacidade, da produção e das vendas, bem como do emprego. Mas a situação é ainda mais difícil no segmento das grandes empresas e no nível do emprego – os cortes de pessoal só são menores do que os da indústria de transformação. 

O número de empregados com carteira assinada na construção civil diminuiu 25 mil em agosto, 177,7 mil no ano e 385,2 mil em 12 meses – redução de 11,77%, mais que o dobro do corte na indústria de transformação e o maior entre os oito setores analisados pelo Ministério do Trabalho. Isoladamente, a construção representou 39% do total de corte de postos de trabalho com carteira entre setembro de 2014 e agosto de 2015. 

As grandes empresas apresentaram indicadores piores que os das pequenas e das médias no tocante às expectativas quanto ao nível de atividade, novos empreendimentos e serviços, compra de insumos e matérias-­primas, número de empregados e intenção de investimento. Esses itens fazem parte da última Sondagem Indústria da Construção, da CNI. As quedas foram mais intensas do que as esperadas. 


Fim do ciclo imobiliário e fundo do poço
Grandes empresas foram atingidas pelo corte de recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do Minha Casa, Minha Vida. O cenário atual retrata o “fim do ciclo imobiliário”, segundo a FGV. Sem verbas federais, as empresas enfrentam aperto financeiro: 47% das pesquisadas para o Índice de Confiança da Construção (ICST) informaram que é mais difícil obter crédito (há um ano, eram 22,5%). 

Indicadores recentes sugeriam que o setor se aproximava do “fundo do poço”, enfatizou Ana Maria Castelo, da FGV. A confirmação veio em setembro, quando o ICST registrou 65,9 pontos (­35,1% em relação a setembro de 2014 e ­43,2% em relação à média histórica de 116 pontos). Abaixo de 100 pontos, o campo é negativo. 

Assim como a CNI, os especialistas da FGV constataram a deterioração dos resultados. A situação atual dos negócios é muito ruim. Na cidade de São Paulo, por exemplo, as vendas de imóveis novos caíram 59,7% entre junho e julho, para 1.042 unidades, segundo o Secovi. Mas, se a oferta diminuiu, os estoques ainda são altos.

(Estadão - Notícia - Geral - 08/10/2015)

VEJA VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO AQUI NO BLOG OU PELO LINK

8 comentários:

  1. Elefantes brancos como construtoras,automobilisticas,autopeças,estao entrando na cratera sem fundo,portanto demissoes em massa sera inevitavel e nao adianta PPE,PDV.....ETC......ficara tudo encalhado por anos a fio.Ninguem compra mais nada,assim sendo minando receitas pra sustentar brasilia.SO UM GOLPE A LA PARAGUAYO PRA ARRUMAR ISSO AQUI.Tanto que o paraguay depois do golpe, so cresce a cada ano com a instalaçao da" LEI DE MAQUILA" de imposto unico e baixo.

    ResponderExcluir
  2. UE A.CRISE IMOBILIARIA NAO PASSOU POR "BOLHA IMOBILIARIA" E FOI DIRETO PARA FUNDO DO POÇO?
    AI OBSERVADOR,NAO DEIXE BARATO ISSO NAO,POIS PEDALARAM ESSA 2ª FASE"BOLHA IMOBILARIA"...KKKKKK
    SE ELES NAO ASSUMEM A BOLHA, ENTAO A BOLHA IRA SUMIR COM ELES.....KKKKKK.

    ResponderExcluir
  3. Esta matéria trouxe algo de novo?

    Logo aparece um corvo dizendo que os preços não vão cair, que imóvel é um ótimo investimento , que valoriza sempre, kkk

    Se todas essas incorporadoras, imobiliárias, etc quebrarem, a profissão de corvo vai desaparecer, kkkkk

    ResponderExcluir
  4. Todas futuras "Encol".

    ResponderExcluir
  5. Logo aparece um corvo dizendo que os preços não vão cair e que vão valorizar 30% a.a

    ResponderExcluir
  6. Agora não vem mais nenhum miserável especulador falar que não há crise e blá blá blá.....

    Não está sendo noticiado, mas o que tem de apartamentos sendo retomados por falta de pagamento não está no gibe, sei disso, pois minha namorada trabalha na CEF.

    Comprar imóvel para investir é prejuízo, foi um período cíclico e agora não é mais atraente, melhor investir em títulos do tesouro.

    ResponderExcluir
  7. No blog, já se percebe redução dos corretores defendendo que não há crise.
    Estão sem tempo para comentar já que estão a procura de emprego.

    ResponderExcluir